Mel e Sushi

Esta é a Mel, uma Lhasa Apso de seis anos e meio.

O Lhasa Apso teve origem no Tibet (cruzamento do Terrier Tibetano e do Spaniel Tibetano) , os cães eram usados como guarda (de alerta) dentro das casas e dos templos tibetanos. São cães alegres, seguros de si, inteligentes porém não muito amistosos com estranhos*. A Mel é bem assim, demorou um pouco para eu ganhar a confiança dela.

Este é o Sushi, um Shih Tzu de dois anos.

A origem do Shih Tzu é na China (cruzamento do Terrier Tibetano ou do Lhasa Apso com o Pequinês). Desde sempre foram cães de companhia, por isso são inteligentes, ativos, alertas, carinhosos e amigáveis com todos*. A alegria do Sushi é ganhar um carinho, e ao contrário da Mel ele é muito simpático com estranhos.

Os donos da Mel e do Sushi são a Elisa e o Lineu. Como eles trabalham até tarde, alguns dias da semana os cães ficam na casa dos pais da Elisa, a d. Maria Inês e o sr Carlos, para não ficarem sozinhos em casa.

Os dois são meus alunos de Adestramento.  Eles já aprenderam a sentar, dar a patinha, andar junto e deitar. Uma das partes mais difíceis do treinamento foi ensiná-los a andar junto, pois eles foram acostumados a andar parando em todo canto, para cheirar e fazer o que quiserem. Os donos utilizam a coleira do tipo peitoral para andar com eles, que dá bastante liberdade ao cão, e quatro pessoas diferentes saem para passear, cada uma de um jeito, o que também dificulta a aprendizagem do junto, já que não conseguimos criar um padrão de caminhada para os cães.

No treinamento eu utilizo o colar, e logo depois de algumas sessões eles já começaram a responder bem aos meus comandos, e hoje eles andam ao meu lado, sem ficar parando toda hora. Mas nós estamos tendo problemas em conseguir este resultado somente com o peitoral, pois eles já associaram este tipo de coleira com a “liberdade” de fazer o que querem. Para conseguir o resultado desejado é preciso que todas as pessoas envolvidas com os cães façam parte do treinamento, o que neste caso significa que todos precisam levá-los do lado, não deixando eles pararem sempre que querem, nem andarem muito à frente ou muito atrás. Isso está relacionado com dois pontos importantes do adestramento: a repetição e a consistência. Sem isto é possível adestrar o cão, mas será mais demorado.

Como eles estão no treinamento de comandos básicos, ainda vão aprender a ficar e a vir quando forem chamados. Depois nós vamos focar na solução de problemas comportamentais. Então em breve teremos mais notícias sobre a Mel e o Sushi!

 
* Informações sobre raças
Site da Confederação Brasileira de Cinofilia: 
http://www.cbkc.org/padroes/pdf/grupo9/lhasaapso.pdf 
http://www.cbkc.org/padroes/pdf/grupo9/shihtzu.pdf

Site do American Kennel Club:
http://www.akc.org/breeds/lhasa_apso/
http://www.akc.org/breeds/shih_tzu/

Livro: Tudo sobre Cães. A. Gondrexon, Ives Browne. 3ª edição.
São Paulo: Martins Fontes, 2000.
Anúncios

2 thoughts on “Mel e Sushi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s